Quando tudo parece nos desanimar

0
49

“Seus discípulos aproximaram-se dele e rogaram-lhe: Manda-a embora, porque vem gritando atrás de nós.” Mateus 15.23b

Uma das grandes confusões teológicas, quando o assunto é a oração, diz respeito à diferença que existe entre as vãs repetições de que Jesus fala no Sermão do Monte e a constância na oração. Em Mateus 6.7-15, Jesus está criticando, não a oração perseverante, mas a mera reprodução mecânica de palavras praticada pelos povos pagãos, como se essas palavras fossem mágicas e, por si só, pudessem fazer algo acontecer. Se Jesus tivesse, ali, censurado a oração constante, Ele jamais poderia ter emendado essas palavras imediatamente com a oração do “Pai nosso”, que pede pelo pão de cada dia e, portanto, serve de modelo para um pedido que deveria se repetir diariamente.

Voltando à passagem da mulher siro-fenícia, quem pediu que ela parasse de clamar foram os discípulos. Eles que estavam incomodados, não Jesus. Não conseguindo “enxotá-la”, eles se dirigiram ao Mestre como que dizendo: “Faça-a parar. Dê-lhe logo um ‘não’ bem grande, senão ela vai continuar nos seguindo e nos perturbando’”.

Mas Jesus não os atendeu. Como interromper o clamor de uma mãe desesperada?

Mais à frente, em nossas meditações, veremos que Jesus acabou atendendo àquela mulher. Por ora, o que vamos destacar é a pressão das circunstâncias para que ela desistisse. Talvez esse seja o seu caso, hoje. Você já intercedeu tanto pelos filhos que tem dúvidas se deve continuar fazendo isso. Quem sabe você já estará com medo de repetir a mesma oração, sempre, e achar que esteja cansando Jesus com suas palavras?

Não, meu irmão. Não, minha irmã. Suas orações não são “vãs repetições”. Jesus mesmo nos encoraja a orar sempre. Em Lucas 18 Ele até contou uma parábola para nos ensinar a não desanimar de orar. Você se lembra? Havia uma viúva com uma causa na Justiça que estava demorando a ser julgada. O juiz, um homem mau, procrastinava sua sentença, apesar dos clamores constantes daquela mulher, que precisava muito da decisão dele. De tanto ela importuná-lo, ele a acabou atendendo. A lição aqui é: se até um juiz mau atende a quem não para de pedir, quanto mais um Deus bom responderá ao pedido insistente de seus filhos. Persevere em oração. Você nunca incomoda Deus com seu clamor.

Vamos orar para que Deus salve os nossos filhos, ainda que já tenhamos pedido isso mil vezes.

Crianças em Oração – A mulher da história insistia seguindo Jesus pelo caminho por onde Ele passava e pedindo sua ajuda. Ela estava resolvida. Não deixaria Jesus ir embora sem que Ele atendesse ao seu pedido. Sua filha estava sofrendo, e só Ele tinha a solução. Mas os seguidores de Jesus ficaram incomodados e até falaram para que Jesus mandasse aquela mulher voltar para a casa, mas não foi isso que Jesus fez.

Algum amigo seu já ficou chamando seu nome tantas vezes que você ficou irritado? Pois é. Às vezes a gente até acha desagradável quando isso acontece, mas, quando precisamos da ajuda de Jesus e pedimos mais de uma vez, Ele não fica bravo e nem se aborrece. Por isso, não precisamos ter vergonha de pedir.

Ore contando para Deus sobre o seu dia, as coisas boas e as ruins. Diga a Ele como você está se sentindo e peça a ajuda dele para resolver as coisas que você não consegue resolver.

#fiqueemfamília