Pegadas para a Esperança

0
562

“Quão formosos são os pés daqueles que anunciam as boas novas!” Rm 10.15b

O que Deus espera é que cada um de nós deixe marcas imitáveis e referenciais para que não somente os irmãos em Cristo sigam as nossas pisadas, mas que, intencionalmente, deixemos marcas para que perdidos, sem esperança, também nos sigam em demanda ao Céu, à morada eterna com Deus.
O desafio de 1Pe 2.21 deve nos causar profunda responsabilidade e temor diante de Deus, pois Jesus Cristo foi para nós o padrão de vida com Deus. Ele deseja viver a sua vida através de nossas vidas! A igreja é o corpo de Cristo e nós somos membros desse corpo (1Co 12.27).
Fujamos do idealismo exacerbado e nos voltemos mais para a prática. É mais fácil ensinar com as palavras que com a vida: “Faça o que eu digo e não faça o que eu faço”. Isso contrapõe ao exemplo de Jesus que preferiu dizer “aprendei de mim” (Mt 11.29) e não aprendei comigo!
Ou o apóstolo Paulo desafiando com “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (1Co 11.1)
Ser, saber e fazer são três verbos importantíssimos na vida cristã. É claro que o ser é o mais relevante e deve marcar o início de tudo! Em muitas orações a gente ouve o povo dizer: “Que cresçamos não só em quantidade, mas também em qualidade”! Na verdade, quantidade sem qualidade não vale a pena! Por outro lado, qualidade que não gera quantidade, precisa ser questionada! Devemos nos preocupar com a grande ênfase que temos dado ao saber em detrimento do fazer! Há muita gente tentando fazer o que não aprendeu a fazer, mas em maior número estão os que sabem e não fazem! Nossos encontros estão recheados de ensinamentos quanto ao saber e poucos encontros nos preparam para fazer. Jesus quer uma igreja que faça e não que se orgulhe de tanto saber. No conhecido texto de Mt 16.18, Jesus afirmou que: “Também eu te digo que és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. Entendamos que Jesus planejou uma igreja para atacar e não para se defender! Nosso ensino deve privilegiar o ataque e não a defesa! Devemos: ser, saber e fazer!
Quem não pode fazer tudo o que deve, deve fazer tudo o que pode, ou ainda, ninguém deve deixar de fazer o pouco que pode por não poder fazer o muito que gostaria. Poderíamos desejar ganhar o mundo para Jesus em resposta ao seu grande e imensurável amor, mas por causa das nossas limitações, ficamos desanimados e não nos mexemos para saber e fazer o que podemos. No mundo atual, diante de tantas opções e alternativas religiosas, nada melhor que criarmos e mantermos “Relacionamento Discipuladores” (RDs) ou dificilmente chegaremos às pessoas perdidas, usando outros caminhos! Assim, não seremos “pegadas para a esperança” e nem teremos pés formosos.
Que Deus nos ajude.

Pr. Nilton Antonio de Souza
Diretor Geral da Convenção Batista Carioca