Todos os dias, o dia todo!

0
97

Por mais gloriosa que seja a redenção de qualquer pessoa em Cristo, a majestade do que o evangelho realiza numa escala, cósmica cultural é grandiosa e deveria ser total em nossa vida (Cl 1.15-20). Esta percepção de evangelho “Holístico” só aumenta sua capacidade de inspirar e causar admiração naqueles que são rodeados de “tão grande nuvem de testemunhas” (Hb 12.1). Assim, quando Deus nos chama ao trabalho de sermos “embaixadores de Cristo” (2 Co 5.20), ele quer dizer muito mais do que repetir palavras sobre o  evangelho para aqueles que estão fora da comunidade da fé.

Como membros do corpo de Cristo, devemos continuamente incentivar pessoas a terem coragem de compartilhar sua fé. Não devemos considerar que os possíveis desconfortos ou oposição a Cristo e obviamente sua mensagem, sejam justificativas para não realizarmos a tarefa, seja individualmente ou coletivamente (Igreja). Ao mesmo tempo, devemos nos esforçar constantemente para apresentar o evangelho em termos mais amplo do que somente “evangelismo”. O Evangelho consome a própria vida cristã, influencia o modo como nossa vida coletiva se desenrola em meio às comunidades em que Deus nos colocou, provendo-nos de potencial de multiplicação a cada espaço que ocuparmos.

Se alguém de fato é adorador de Deus, regenerado e centrado em Jesus, essa mudança de coração deveria criar um tipo de ética em suas práticas e estilo de negócios. Deveria inspirar excelência e integridade em sua vida escolar. Deveria inspirar alegria e sinceridade no modo como essa pessoa interage com os que estão a sua volta, de forma a ter uma atitude generosa e gentil. Seja qual for à área na qual Deus colocou, quando um cristão é centrado no evangelho ele é uma presença fiel, uma testemunha integral do evangelho de Jesus Cristo; um embaixador de Jesus Cristo.

Contudo, como pessoas centradas em Jesus, esse chamado para a vida cristã integral não é motivado pelo desejo de ser uma pessoa boa; pelo contrário, é baseado no entendimento de que não somos pessoas boas e, mesmo assim, Cristo nos estendeu sua graça. Ao contrário dos seguidores de outras religiões, não estamos tentado conquistar nada, não estamos tentando impressionar ninguém. Recebemos de graça e de graça damos. Andamos com retidão porque fomos amados e perdoados, não porque somos melhores do que ninguém.

Proclamar Cristo não é ir atrás de convertidos, estamos atrás de discípulos: encorajando vizinhos e colegas de trabalho no Senhor; proclamando vida aos que interagem conosco; compartilhando verdades do evangelho de forma natural; convidando pessoas para visitar nossas comunidades de fé, para explorar, fazer perguntas e andar conosco; exaltando Jesus ao lado das pessoas presentes nos eventos esportivos dos nossos filhos, na academia, nos corredores da republica e em relações de negócio.

Tudo isso é resultado de estarmos envolvidos na epopeia dos propósitos do evangelho de Deus. Cristo esta nos convidando a desempenharmos nossos papeis específicos. Encorajando, uns aos outros ao amadurecimento pelo poder do Espírito santo, sempre multiplicando aquilo que Deus multiplicou em nós. Estamos descobrindo a realidade de algo maior, melhor e mais belo do que nossos próprios desejos e conforto. Todos os dias, o dia todo.

Soli Deo Gloria.

Pr. Artur Coelho